Violência doméstica em tempos de COVID-19

Em tempos de COVID-19 a melhor medida preventiva é o isolamento, mas ficar em casa pode ser, para algumas pessoas, mais perigoso do que ficar na rua. O levantamento realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública revelou que o número de ocorrências relacionadas à violência contra a mulher aumentou exponencialmente em pelo menos seis estados brasileiros em relação aos números de 2019, só no Rio de Janeiro os números aumentaram em 50%, além é claro, do crescimento de casos de feminicídio.

A violência doméstica é um problema recorrente e até comum nos condomínios, na maioria das vezes direcionada a mulher. Infelizmente, muitas vezes, os casos podem se agravar pela omissão dos vizinhos.
É importante lembrar que qualquer violência ocorrida entre membros do mesmo grupo familiar, independente de laços sanguíneos, idade ou sexo podem ser classificadas como violência doméstica e devem ser denunciadas às autoridades.

É imprescindível que haja uma conscientização por parte do síndico sobre a gravidade do problema e incentivar que os residentes, caso ouçam ou testemunhem algum tipo de violência doméstica e/ou contra a mulher, denuncie com urgência. Esse incentivo pode ser feito de forma educativa com materiais distribuídos pelo prédio, como cartilhas por exemplo. Principalmente no momento de isolamento social os moradores ou funcionários deverão, caso necessário, fazer suas denúncias formais diretamente sem necessidade de assembleia. A medida é urgente e não precisa ser consultada previamente. Caso a situação ocorra deve ser tratada com o intuito de evitar possíveis constrangimentos para a vítima, que deve ter todo o auxílio possível por parte do síndico e dos condôminos.

Atualmente como tentativa para conter os índices de violência doméstica e contra a mulher, o Rio de Janeiro antecipou a ampliação de seus serviços de delegacia eletrônica e disponibilizou o registro on-line de boletins de ocorrências sobre violência doméstica, que pode ser feito tanto pela vítima como por testemunhas, o Governo Federal anunciou também o desenvolvimento de um app que servirá como ferramenta para denúncias.

É importante ressaltar que a Central de Atendimento à Mulher fica disponível 24 horas por dia e pode ser acessada pelo número 180 e pelo Disque 100. Os casos mais urgentes deverão ser denunciados no número 190.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *